Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
21 de JUNHO de 2018 | Fonte: Valor Econômico

Justiça aprova plano de recuperação da Lojas Leader

A Leader comprou a Seller em 2013.

A rede de varejo Lojas Leader conseguiu ontem (20/06) a homologação do plano de recuperação extrajudicial da empresa no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Com a decisão unânime da 11ª Câmara Cível, a varejista está protegida da cobrança de credores durante a execução do plano, que prevê reestruturação da dívida e reformulação do pagamento de credores. As informações são do advogado Flavio Galdino, sócio do Galdino Coelho Mendes Advogados, à frente da recuperação extrajudicial da Leader.

 

A Leader comprou a Seller em 2013. Desde os tempos do BTG, a família Furlan, fundadora da Seller, cobra um valor de aproximadamente R$ 30 milhões que não teria sido pago na transferência do controle da bandeira a Leader.

 

O plano de recuperação da varejista teve adesão de 227 credores, que representam 83% dos R$ 222,4 milhões de crédito concursal (dívida integrante da recuperação). A legislação obriga a adesão de mais de três quintos dos credores. Essa adesão foi obtida em negociação direta da varejista com os fornecedores.

 

“O plano de recuperação é com fornecedores, com base no que estava em aberto de pagamentos em 30 de dezembro de 2016. Era a única dívida em aberto da empresa, sem nada fiscal. A repactuação bancária já ocorreu. Isso foi necessário por causa de um desencaixe de fluxo de caixa da companhia naquele ano”, disse Galdino.

 

O plano da empresa prevê o pagamento em 84 parcelas mensais iguais até o último dia útil de cada mês, acrescidas de 80% do CDI. Os credores que aderiram ao plano estão recebendo pagamento desde janeiro do ano passado. Os que não aderiram ao plano vão começar a receber a partir do trânsito em julgado do plano. “Com a homologação, os credores que não tinham aderido são obrigados a aceitar nessas condições”, disse Galdino, acrescentando que ainda cabe recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

 

Em janeiro, o plano havia sido negado na primeira instância da Justiça do Rio, que percebeu inconsistências no cálculo do “quórum” de credores e diferenças “significativas” no tratamento de credores aderentes e não aderentes ao plano. Segundo o advogado de defesa, a decisão de segunda instância desta quarta-feira (20/06) atendeu a todos os pedidos.



Untitled Document
Últimas Notícias
Sesi destaca melhoria na gestão de SST com eSocial
Chuva desacelera ritmo da moagem de cana na segunda quinzena de setembro
Atacar Poder Judiciário é atacar a democracia, diz presidente do STF
Untitled Document