Untitled Document
DOMINGO, 21 DE OUTUBRO DE 2018
07 de JUNHO de 2018 | Fonte: Campo Grande News

Chega a 15 o número de mortos pela gripe em MS

Dados da SES apontam que de 1116 amostras triadas pelo Lacen, 190 se confirmaram e pacientes devem começar o tratamento
A campanha foi estendida até o próximo dia 15 de junho (Foto: Saul Schramm)

Chegamos à metade do ano de 2018 com 15 mortes causadas pela gripe e 190 casos confirmados em Mato Grosso do Sul, segundo o último boletim epidemiológico de Influenza da SES (Secretaria Estadual de Saúde), divulgado nesta quarta-feira (6). As informações consideram os três tipos de vírus de maior circulação no Estado, a Influenza A H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B.

 

Os dados da SES apontam que o Lacen (Laboratório Central de Mato Grosso do Sul) fez a triagem de 1116 amostras de influenza, até esta quarta-feira (6), e 53 casos se confirmaram para Influenza A H1N1, 24 para Influenza A não subtipado, 99 para Influenza A H3N2 e 14 para Influenza B.

 

O vírus da influenza A tipo H3N2 continua sendo o que mais contamina e mata. De janeiro até ontem, quarta-feira (6), cinco pessoas morreram por conta do vírus H1N1, oito pelo vírus Influenza A/H3, uma pelo vírus Influenza A não subtipado, e uma por Influenza B. O boletim desta quarta, não divulgou a quantidade de mortes por cidades.

 

Em Campo Grande, duas pessoas morreram pelo vírus Influenza A H1N1, seis por Influenza A H3N2/ Sazonal e uma por Influenza B.

 

Mais três pessoas morreram em Chapadão do Sul, Coxim e Nioaque, por Influenza A H1N1. Outras duas foram vítimas da Influenza A H3N2/Sazonal, em Aquidauna e Naviraí. 

 

Três Lagoas registrou uma morte por Influenza A, não subtipado.

 

Mobilização - A campanha foi estendida até o próximo dia 15 de junho e está disponível para pessoas a partir dos 60 anos, crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 5 anos, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, os trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas, povos indígenas, grupos portadores de doenças crônicas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que estejam sob medidas socioeducativas, a população privada de liberdade, os funcionários do sistema prisional e estagiários da área da saúde.

 

A doença - A SES esclarece que a gripe é uma doença respiratória causada pelo vírus influenza que provoca febre, tosse, dor de garganta, dores no corpo e mal estar. O maior gravidade da infecção pelo vírus influenza são as complicações como pneumonias, dificuldades respiratórias que podem levar à internação e até mesmo ao óbito.

 

O antiviral Oseltamivir, de nome comercial Tamiflu, está disponível em todo o Estado gratuitamente, e o seu uso no início dos primeiros sintomas da gripe é fundamental para prevenir o agravamento dos casos. Porém, existem critérios pré definidos pelo Protocolo de Tratamento de Influenza que devem ser seguidos.

 

Atenção aos sintomas: febre, tosse, dor de garganta e dores nas articulações, musculares ou de cabeça. É fundamental ao apresentar esses sinais, principalmente pacientes com comorbidades, procurar atendimento no início dos sintomas favorecendo o tratamento oportuno (em até 48 horas). O tratamento pode ser prescrito tanto por médicos do SUS como particulares, com a dispensação, sem custos, garantida pela rede pública.

 

Uma ação fundamental para diminuir a circulação dos vírus da gripe é a adoção de hábitos simples:

 

- Higienizar as mãos com frequência;

- Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

- Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;

- Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;

- Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

- Não partilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal;

- Evitar aperto de mãos, abraços e beijo social;

- Reduzir contatos sociais desnecessários e evitar, dentro do possível, ambientes com aglomeração;

- Evitar visitas a hospitais;

- Ventilar os ambientes.



Untitled Document
Últimas Notícias
Gasolina sobe pela nona semana seguida e acumula alta de 6,76% em MS
Haddad eleva o tom, critica e desafia Bolsonaro
Furto de cobre motivou tiroteio que terminou com PM morto
Untitled Document