Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 23 DE MAIO DE 2018
10 de MAIO de 2018 | Fonte: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Campanha de Vacinação no Estado já imunizou mais de 76 mil pessoas

As campanhas tem contribuído na redução da mortalidade em indivíduos portadores de doenças crônicas.
Foto: Arquivo/divulgação

Desde o início da 20ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza, Mato Grosso do Sul já imunizou mais de 76 mil pessoas, conforme dados do Datasus/MS, divulgados nessa quarta-feira (09/05). Conforme a Coordenadoria de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde (SES) o número de doses aplicadas pode ser ainda maior, já que o registro da vacina é feito inicialmente de forma manual e, posteriormente, repassado ao sistema de dados do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

No Estado, 737.395 mil pessoas fazem parte do público-alvo, conforme a definição do Ministério da Saúde. A SES espera vacinar ao menos 90% desse total, o que representa 663.656 mil pessoas.

 

Fazem parte do grupo prioritário: Crianças de seis meses a menores de cinco anos; Gestantes, puérperas; Professores, profissionais da saúde; Povos indígenas; Pessoas com 60 anos ou mais; Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população carcerária e funcionários do sistema prisional; Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independente da idade.

 

Dia D

A campanha de vacinação termina dia 1° de junho, sendo sábado (12.5) o dia de mobilização nacional – conhecido também como “Dia D”.

 

De acordo com o escalonamento da entrega da vacina, o início da campanha é para os grupos prioritários do público-alvo que são: profissionais de saúde, crianças de 06 meses a menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas e professores.

 

A partir do Dia D, a vacinação será estendida para a população com idade acima de 60 anos.

 

Para os demais grupos, a Campanha estará disponível a partir do dia 21 de maio.

 

As estratégias de vacinação no Brasil, conforme o Ministério da Saúde, são decisões respaldas em bases técnicas, científicas e logísticas, evidência epidemiológica, eficácia e segurança do produto.

 

As campanhas tem contribuído na redução da mortalidade em indivíduos portadores de doenças crônicas, tais como doença cardiovascular, acidente vascular cerebral (AVC); doenças renais, diabetes, pneumonias, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC); dentre outras. Entre as possíveis condições de risco para a ocorrência de complicações por influenza, a presença de pelo menos uma comorbidade foi mais frequente entre os acometidos.

 

A influenza é uma doença respiratória infecciosa, de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito, especialmente, nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção.



Untitled Document
Últimas Notícias
Possível contratação de Vagner Love divide Flamengo
Pesquisa da CNI mostra que 76% das indústrias investiram em 2017
Petrobras reduz preço da gasolina e do diesel pelo 2º dia consecutivo
Untitled Document