Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 25 DE SETEMBRO DE 2018
22 de MARÇO de 2018 | Fonte: G1

Brasil registrou 1 homicídio a cada 9 minutos em 2017

São 59.103 homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Número é o maior dos últimos anos

O Brasil teve no ano passado 59.103 vítimas assassinadas – uma a cada 9 minutos, em média. É o que mostra um levantamento feito pelo G1 com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal. O dado, inédito, contabiliza todos os homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, que, juntos, compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

 

Houve um aumento de 2,7% em relação a 2016, quando foram registradas 57.549 vítimas no país. Como parte dos dados de 2017 será revisada e estados como Tocantins e Minas Gerais dizem que o balanço completo não está fechado, a tendência é que esse crescimento seja ainda maior. Além disso, em muitos estados os casos de morte em decorrência de intervenção policial não entram na conta de homicídios – ou seja, é seguro dizer que a estatística passa dos 60 mil (só no RJ, por exemplo, houve 1.124 casos do tipo no ano passado).

 

O levantamento faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitaram os dados via Lei de Acesso à Informação seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado normalmente no fim do ano.

 

O levantamento revela que:

 

O Brasil teve 59.103 pessoas assassinadas no ano passado (um aumento de 2,7% em relação ao ano anterior)

A taxa de mortes a cada 100 mil habitantes subiu e está em 28,5

O número de homicídios e de lesões corporais seguidas de morte cresceu, mas o de latrocínio (o roubo seguido de morte) caiu

O Ceará é o estado que teve o maior crescimento de mortes tanto em número absoluto (1.677 mortes a mais em um ano) como percentualmente (48,5%)

O Rio Grande do Norte é o que tem a maior taxa de mortes: 64 a cada 100 mil



Untitled Document
Últimas Notícias
Lateral recusa convocação da Argentina para defender o Paraguai
Reinaldo assina carta compromisso para continuar investindo no turismo
Torneio de Pesca do Rio Amambai supera expectativas
Untitled Document