Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 21 DE MAIO DE 2018
22 de OUTUBRO de 2017 | Fonte: SNA

Cafés diferenciados ganham mais espaço na produção nacional

Os cafés diferenciados são aqueles que têm qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis e incluem os cafés especiais.
Os cafés especiais devem responder por até 18% do volume total comercializado (Foto: Divulgação)

O mercado brasileiro de café chega ao último trimestre do ano com desempenho de dar inveja a muitos outros setores do agronegócio. Além de vendas que atingiram US$ 3,7 bilhões de janeiro a setembro deste ano, de acordo com dados do Boletim Mensal do Cecafé, os produtores comemoram o crescimento dos cafés diferenciados, que aumentaram suas vendas tanto no mercado doméstico quanto nas exportações. E o melhor: o valor médio é quase 25% superior ao da commodity.

 

Os cafés diferenciados são aqueles que têm qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis e incluem os cafés especiais. Somente nos primeiros nove meses do ano, a venda deste tipo de produto gerou US$ 682 milhões de receita cambial, com preço médio de US$ 200,94 por saca, 24,4% superior ao preço médio dos cafés naturais/médios que foi de US$ 161,57.

 

“O café brasileiro ganha cada vez mais reconhecimento internacional. Isso é o resultado de muitos anos de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias.  A procura por cafés diferenciados não para de crescer, principalmente por países como os Estados Unidos. Apesar da crise, também observamos o mesmo movimento no mercado doméstico. Um retrato disto está na quantidade de cafeterias gourmets espalhadas por todo o Brasil”, comenta o gerente de Transferência de Tecnologia da Embrapa Café, Lucas Tadeu Ferreira.

 

Uma das explicações para que a queda no consumo das famílias não tenha impactado o consumo de cafés diferenciados no País está no fato de que a bebida é a segunda mais consumida pelos brasileiros, atrás apenas da água. Outra marca que o Brasil pode ostentar com orgulho é de ser o maior produtor de café do mundo.

 

O preço médio geral das exportações de café entre janeiro e setembro (US$ 170,66) teve aumento de 12,6% com relação ao mesmo período de 2016, que foi de US$ 151,53. Desse total, foram exportadas 3,39 milhões de sacas de cafés diferenciados, que representaram 15,5% do volume total. “A expectativa é de que fechemos o ano com os cafés especiais respondendo por 15% a 18% do volume total de vendas”, estima Ferreira.

 

O Relatório do CeCafé destacou ainda que, do volume total exportado no período de janeiro a setembro, 19,15 milhões de sacas foram de café arábica – que representaram 87,5% do total vendido ao exterior; e que o café solúvel correspondeu a 2,51 milhões de sacas (11,5%). Já o café robusta correspondeu a 191 mil sacas (0,9%); e 19 mil sacas foram de café torrado e moído (0,1%), totalizando 21,87 milhões de sacas, volume 10,2% inferior ao mesmo período de 2016.

 

“Esse recuo é considerado normal porque a safra de café é bianual, ou seja, nos anos pares temos volumes maiores que nos anos ímpares”, explica o pesquisador da Embrapa.

 

De acordo com o CeCafé, nesse mesmo período, o Brasil exportou café para 117 países, sendo os Estados Unidos o  maior importador, seguidos por Alemanha, Itália, Japão e Bélgica.

 

Ferreira destaca o aumento da produtividade e da qualidade do café brasileiro nos últimos 20 anos. Graças a parceiras firmadas entre a Embrapa e os agricultores nacionais, a produção cresceu, neste período, de 8 para 25 sacas por hectare. “Isso permitiu que a área plantada fosse reduzida, mas que o volume plantado crescesse”, conclui ele.



Untitled Document
Últimas Notícias
Maior derrotado da Série A, Santos não perdia tanto desde ano da estreia de Pepe
Bellucci dá 1ª vitória brasileira no quali de Roland Garros
MS tem a melhor geração de emprego dos últimos quatro anos
Untitled Document