Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
27 de SETEMBRO de 2017 | Fonte: Agência ALMS

Com construtores, Mochi destaca interlocução política da ALMS

Mochi lembrou que o setor é estratégico para a geração de empregos e o desenvolvimento econômico do Estado.

O presidente da Assembleia Legislativa (ALMS), Junior Mochi (PMDB), participou de reunião da Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul (Acomasul), ontem (26/09), e enfatizou a importância da interlocução política da Casa de Leis no sentido de auxiliar o setor. 

Mochi participou de reunião da Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul (Foto: Rachid Waqued/ALMS)

"A construção é o segmento que sofre primeiro os reflexos do que acontece em nosso país, de positivo e negativo. Temos que ter sempre a sensilidade de auxiliar aqui no Estado e também mobilizar a bancada federal, especialmente neste momento delicado por que passa nossa economia", afirmou. Segundo ele, devidamente consolidada, a associação é um importante mecanismo para viabilizar conquistas aos construtores. 

 

Mochi lembrou que o setor é estratégico para a geração de empregos e o desenvolvimento econômico do Estado e também convidou a direção da Acomasul a firmar parceria com a Casa de Leis. "Já estabelecemos termos de acordo com 21 instituições, de forma que, quando algum projeto começa a tramitar na Assembleia Legislativa, que seja de interesse daquele segmento, seus representantes são chamados para debater e propor sugestões, para que o texto final também contemple as necessidades das categorias", explicou. 

 

O presidente da Acomasul, Adão Castilho, lamentou a decisão do Ministério das Cidades de reduzir os recursos do programa Minha Casa, Minha Vida, que impacta diretamente o setor, e informou aos associados como está a mobilização nacional das entidades que buscam minimizar os prejuízos. "Antes, respondíamos por 30% dos financiamentos. Hoje, somos responsáveis por 60% dos contratos da Caixa [Caixa Econômica Federal - CEF] no Brasil, o que demonstra a nossa importância", disse.

 

De acordo com Castilho, cada R$ 1 bilhão que é retirado das linhas de financiamento representa redução de 187,5 mil empregos no país. "Estamos mobilizando os políticos em Brasília e buscaremos assegurar a manutenção das nossas atividades e avançar", afirmou, complementando que a direção da entidade voltará a se reunir, em Brasília, com representantes do Ministério das Cidades e da Caixa.  

 

A partir desta segunda-feira, os mutuários passam a ter mais dificuldade em financiar a compra de imóveis usados. A Caixa reduziu para 50% do valor do imóvel o limite máximo de financiamento. Atualmente, os clientes poderiam financiar até 60% ou 70% do montante, dependendo do tipo de linha de crédito contratada. A redução vale para todas as modalidades, como Minha Casa Minha Vida, empréstimos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, que utiliza recursos da poupança.



Untitled Document
Últimas Notícias
Diretor de equipe amadora emite nota de repúdio contra árbitro de Naviraí
Moradora de Itaquiraí morre após acidente de trânsito no Pará
Neymar fala sobre Marquezine, mas faz mistério sobre Demi Lovato
Untitled Document