Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
25 de SETEMBRO de 2017 | Fonte: O Globo

Por telefone e WhatsApp, Temer tenta acalmar crise entre Rodrigo Maia e o PMDB

Líder do DEM diz que presidente tem de "botar juízo" nos aliados Jucá, Padilha e Moreira
O presidente Michel Temer e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Foto: Divulgação)

Enquanto o presidente Michel Temer evita movimentos bruscos que possam irritar os aliados de que precisa para derrubar a segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República na Câmara, caciques do PMDB se lançaram em uma batalha com o DEM, partido do presidente da Casa, Rodrigo Maia (RJ), pela filiação de meia dúzia de deputados dissidentes do PSB.

 

Por telefone e WhatsApp, Temer tenta acalmar Maia, que tem disparado na direção do Planalto e do Senado, onde estão o líder do Governo, Romero Jucá (PMDB-RR) e os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-geral da Presidência.

 

Perguntados pelo GLOBO sobre possíveis impactos na votação da denúncia contra Temer, personagens dessa briga são evasivos: "por enquanto" ou "a princípio", não. Rodrigo Maia, por seu lado, diz que a disputa não afetará a votação da denúncia.

 

— Nenhuma consequência. Não vamos misturar os temas — diz Rodrigo Maia.

 

Já o ex-líder do Democratas Pauderney Avelino (AM) não tem tanta certeza.

 

— A princípio, acredito que não, mas eles terão que parar de maltratar os aliados — diz Pauderney, defendendo que Temer "bote juízo" na cabeça dos companheiros Jucá, Padilha e Moreira.

 

Comandante da tropa de choque de Temer no Congresso, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) aconselha os companheiros a recolher as armas na batalha.

 

— Eu penso que está se travando uma batalha desnecessária. O que vai determinar a ida desses parlamentares para partido A ou B é a questão local, em função do partido que estiver mais bem colocado para a eleição do ano que vem — aconselha Marun.

 

Responsável por ajudar a colocar panos quentes na disputa, o ministro da Secretaria de governo, Antônio Imbassahy (PSDB-BA), torce:

 

— Não tem guerra. Não vai influenciar no resultado final.



Untitled Document
Últimas Notícias
Diretor de equipe amadora emite nota de repúdio contra árbitro de Naviraí
Moradora de Itaquiraí morre após acidente de trânsito no Pará
Neymar fala sobre Marquezine, mas faz mistério sobre Demi Lovato
Untitled Document