Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 21 DE MAIO DE 2018
15 de SETEMBRO de 2017 | Fonte: Agência Brasil

Brasil é um dos países com maior cobertura de vacinação, mostra relatório

Documento, que traz análises sobre a evolução dos países rumo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, contou com 2.518 colaboradores em 133 países.

O Brasil e a China estão entre os países com maiores índices de cobertura de vacinas, com 99,7% e 99,9% da população-alvo imunizada em 2016, respectivamente. Os dados são do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde (IHME) da Universidade de Washington e foram publicados hoje (15/09) na revista The Lancet.

 

O documento, que traz análises sobre a evolução dos países rumo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), foi produzido em colaboração com a Fundação Bill & Melinda Gates e contou com 2.518 colaboradores em 133 países. O relatório analisa o progresso dos países em direção a cada um dos 37 indicadores relacionados à saúde. Os países foram classificados por suas pontuações globais para mostrar os desempenhos relativos, bem como permitir comparações entre eles.

 

O índice geral de uma nação é baseado em uma escala de zero a 100. Cingapura foi o país com maior pontuação (87), seguido de perto pela Islândia e Suécia (86 ambos). As nações de menor pontuação foram o Afeganistão, a República Centro-Africana e Somália, cada uma com 11 pontos. O Brasil registrou 63 pontos.

 

"Com essas descobertas, as autoridades de saúde nos países podem distinguir melhor os desafios de longa data dos emergentes, bem como revisar e reorientar os programas necessários para atingir os objetivos de suas nações", afimrou Christopher Murray, autor do estudo e diretor da IHME.

 

Em relação ao histórico do Brasil no indicador de vacinação, o país registrava, em 1990, 80,7% da população-alvo vacinada. Apenas dois anos depois, em 1992, o percentual caiu para assustadores 52,6%. A partir desse ano, o índice voltou a subir, alcançando os atuais 99,7%. A expectativa para 2030 é de que o Brasil tenha 100% de cobertura nesse indicador.

 

De acordo com o relatório, muitos países já atingiram alguns dos objetivos relacionados à saúde, incluindo mortalidade de menores de 5 anos, mortalidade neonatal, mortalidade materna e malária.

 

No Brasil, por exemplo, a mortalidade de crianças com menos de 5 anos de idade caiu de 52 a cada 1.000 nascidos vivos, em 1990, para 16,9, em 2016. O objetivo é que, em 2030, as mortes de crianças com menos de 5 anos de idade sejam de menos de 25 por 1.000 nascidos vivos.

 

No entanto, no indicador de prevalência de sobrepeso entre crianças de 2 a 4 anos, o Brasil não apresentou bons resultados. Enquanto em 1990, o índice era 14,3% de crianças nessa faixa etária acima do peso, em 2016 foram registrados 32,6%, mais do que o dobro. A previsão para 2030 é de que esse dado chegue a 45,9%.

 

Apenas como comparação, os Estados Unidos, por exemplo, registraram, em 2016, 24% de crianças acima do peso. A França teve 21,3%; Portugal, 31,7%; a Argentina, 17,4%. O relatório mostrou que o excesso de peso na infância continua a representar um desafio significativo nos países de baixa e alta renda.

 

Com base nas tendências passadas, os pesquisadores descobriram que menos de 5% dos países deverão atingir os objetivos de muitos indicadores relacionados à saúde, incluindo mortalidade por traumatismo rodoviário, tuberculose, excesso de peso na infância, indicadores de violência, como violência de parceiros íntimos e mortalidade por suicídio.



Untitled Document
Últimas Notícias
Maior derrotado da Série A, Santos não perdia tanto desde ano da estreia de Pepe
Bellucci dá 1ª vitória brasileira no quali de Roland Garros
MS tem a melhor geração de emprego dos últimos quatro anos
Untitled Document