Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
15 de JULHO de 2017 | Fonte: Agência Brasil

Dia Internacional do Homem chama atenção para cuidados com a saúde masculina

Comemorado neste dia 15 de julho, o Dia Internacional do Homem traz para o debate os cuidados com a saúde masculina no Brasil.

O homem vive em média sete anos a menos que a mulher. A cada três mortes de adulto, duas são de homens. Segundo dados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde, na faixa de 20 a 59 anos, os homens morrem mais por causas externas, como acidentes de trânsito, acidentes de trabalho e lesões por violência. O segundo motivo de morte entre homens nesta faixa etária são as doenças do aparelho circulatório, seguida das neoplasias. Comemorado neste sábado (15/07), o Dia Internacional do Homem traz para o debate os cuidados com a saúde masculina no país.

A recomendação médica é que o homem, a partir dos 50 anos, comece a fazer exames de prevenção (Foto: Folha de Naviraí/Jr Lopes/arquivo)

Atualmente no Brasil 18% dos homens brasileiros são obesos e 57% apresentam sobrepeso. Com relação ao tabagismo, 12,7% fumam e sobre doenças crônicas, 7,8% dos homens têm diabetes e 23,6% têm hipertensão. Vinte e sete por cento dos homens consomem bebida alcóolica abusivamente e 12,9% dirigem após beber. Os dados fazem parte do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizado anualmente pelo governo federal.

 

Mitos

Para o o subcoordenador do serviço de urologia do Hospital de Clínicas da Universidade de Federal de Minas Gerais (HC-UFMG), Augusto Barbosa Reis, o principal mito em relação à saúde masculina é de que o homem adoece menos que a mulher.

 

“Segundo esse mito, ele acredita que se procurar um médico, vai achar uma doença. Na prática, ele vai evitar uma doença por conta das orientções e vai se tratar para que o problema não se agrave”, diz Reis. “Há falta de procura médica por medo associada à falta de informação, por acreditar que não adoece e quando, de fato, adoece, não encontra horário adequado ao período de trabalho”. Para o médico, o fato de a mulher buscar mais auxílio médico ajudou a construir o mito.

 

Outro mito ressaltado pelo médico são as causas de infertilidade da população. Segundo Reis, o homem é responsável por metade dos casos em que há dificuldade na concepção e em, geral, atribui o problema diretamente à parceira. “Ele coloca a responsabilidade sobre a dificuldade em conceber uma gestação na parceira e adia a sua investigação. Com isso, o tempo vai passando e a idade pode ser um fator negativo para se alcançar uma gravidez”, explica.

 

Prevenção precoce

Apesar dos mitos e resistências em cuidar da saúde, uma geração de brasileiros tem se empenhado na busca por longevidade e uma vida saudável. Para o coordenador de Tecnologia da Informação Anderson Silva, de 41 anos, o incentivo da esposa para o tratamento de doenças ainda é um fator importante na busca por assistência médica, mas não a única forma de cuidar da saúde.

 

“Comigo, acontece ambas as situações. Algumas vezes, procuro por conta própria e outras por indução da minha esposa. Na maioria das vezes, postergo a ida ao médico, deixando para ir somente quando os sintomas ficam bem mais graves. No meu ponto de vista, isso só piora a recuperação”, afirma.

 

Silva destaca que a prevenção de doenças está no seu cuidado em ter uma dieta balanceada, acompanhada por nutricionista, além de atividades físicas. “Pratico exercícios físicos três vezes na semana. Sempre que possível, durmo, no mínimo, seis a sete horas por noite. Além disso, faço exames de check-up periódicos”, conta.

 

O preparador físico de 34 anos, Marcus Vinicius Santos, tem histórico familiar de câncer de próstata e problemas cardiovasculares e afirma procurar assistência médica sempre que percebe sinais de que algo está errado em seu organismo. Para identificação precoce de doenças, começou a fazer check-ups há cinco anos.

 

“Faço acompanhamento médico anualmente, com a relização de exames de sangue para monitorar apectos como o índice de colesterol, que podem influenciar muito em problemas cardiovasculares. Para reforçar ainda mais essa questão, faço controle do estresse, que é um severo desencadeador de doenças da nossa atualidade, com atividade física diária, inclusive aos finais de semana. Não existe milagre, a gente tem que se dedicar”, avalia.



Untitled Document
Últimas Notícias
Sicredi Centro-Sul MS inaugura agência compartilhada em Batayporã
Secretário de Estado de Infraestrutura visita Naviraí
Inscrições no Sisu começam no dia 29 de janeiro
Untitled Document