Untitled Document
DOMINGO, 18 DE FEVEREIRO DE 2018
14 de JULHO de 2017 | Fonte: TV Morena

Projeto que proíbe plantar soja duas vezes na mesma área é aprovado

Medida de prevenção, controle e erradicação da ferrugem asiática proíbe plantar soja duas vezes na mesma área durante o mesmo ciclo.

Os deputados estaduais aprovaram nontem (13/07), em segunda votação, procedimentos mais restritivos nas medidas sanitárias para prevenção, controle e erradicação da ferrugem asiática, uma das doenças mais perigosas para as lavouras de soja, em Mato Grosso do Sul.

Intenção é que medida reduza o número de fungos remanescentes de uma safra para a outra (Foto: Divulgação)

No projeto de lei de autoria do Executivo, que altera a Lei 3.333/2006, a novidade, em relação ao que já existe, é a definição de um calendário de plantio para proibir que a soja seja plantada duas vezes na mesma área durante o mesmo ciclo.

 

Segundo o texto, “o vazio sanitário é o período em que é proibido o cultivo da soja e é obrigatória a ausência de plantas vivas de soja, em qualquer fase de desenvolvimento; que não serão permitidos a semeadura e o cultivo de soja em sucessão à cultura de soja na mesma área e no mesmo ano agrícola; e que os períodos de semeadura de soja e de vazio sanitário serão estabelecidos pelo secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico”.

 

Como não sofreu emendas na Assembleia Legislativa, a proposta vai para sanção do governador.

 

Ferrugem asiática da soja

Uma doença capaz de destruir toda a lavoura de soja. A ferrugem asiática está entre os maiores inimigos dos agricultores. O fungo gosta de calor e muita umidade, condições comuns durante o verão, época de desenvolvimento das lavouras comerciais. Mesmo depois da colheita, pode se reproduzir. Por isso, o plantio de uma segunda safra de soja, na mesma área, não é recomendado. Mas, para ampliar os lucros, alguns produtores se arriscam no campo.

 

Na tentativa de limitar o cultivo a uma safra de soja por ano, o governo e representantes dos agricultores decidiram criar o projeto de lei. Pela nova proposta, após a colheita da soja no verão, o produtor só poderá plantar outras culturas, garantindo, assim a diversificação na área.

 

Há uma exceção: quem produz sementes poderá plantar a soja na segunda safra, porém, o cultivo só deverá ser feito em áreas que não produziram soja na última safra de verão.

 

Neste ano, os produtores de Mato Grosso do Sul plantaram o equivalente a 25 mil hectares de soja safrinha. É menos de 1% do total cultivado durante a safra de verão. Apesar de o estado ter uma área considerada pequena, a proibição, segundo os técnicos, é muito importante para a sanidade das lavouras.

 

A medida reduziria o número de fungos remanescentes de uma safra para a outra, trazendo mais segurança e redução do custo com aplicação de defensivos, segundo analista técnico da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja-MS), Leonardo Carlotto.

 

Com a proibição, Mato Grosso do Sul também quer se equiparar a estados vizinhos que já restringem o cultivo da segunda safra de soja. Como é o caso de Mato Grosso, Goiás e Paraná. Por dois anos, técnicos do governo e representantes da Aprosoja e da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) trabalharam na formatação do projeto de lei.



Untitled Document
Últimas Notícias
Associação Comercial de Naviraí completa 40 anos neste sábado
Preso em MS com quase 420 kg de cocaína é do RJ
Carretas apreendidas em MS levavam R$ 12 milhões em cigarros contrabandeados
Untitled Document