Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 28 DE JUNHO DE 2017
02 de MARÇO de 2017 | Fonte: G1

Moro ouve hoje dois ex-PGR em ação de triplex

Eles foram arrolados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Processo da Lava Jato abrange três contratos da OAS com a Petrobras.
Ação penal da Lava Jato envolve o caso do triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo (Foto: reprodução/TV Globo)

Dois ex-procuradores-gerais da República serão ouvidos, nesta quinta-feira (2), como testemunhas de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na ação penal da Lava Jato que envolve o caso do triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo.

 

Cláudio Lemos Fonteles, que foi procurador-geral da Repúlica entre 2003 e 2005, e Antonio Fernando de Souza, que ocupou a função entre 2005 e 2009, serão ouvidos pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações da Lava Jato em primeira instância. Ambos foram indicados para a Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo ex-presidente Lula.

 

Os depoimentos estão marcados para as 9h30 e serão realizados por videoconferência de Brasília (DF) com a Justiça Federal do Paraná, em Curitiba.

 

Além dos ex-procuradores-gerais também será ouvido Claudio Soares Rocha, que foi diretor de documentação histórica do gabinete pessoal da presidente Dilma Rousseff. Ele foi arrolado pela defesa do presidente do Instituto Lula Paulo Okamotto.

 

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e outras seis pessoas são rés nesse processo.

 

A esposa de Lula, Marisa Letícia, que morreu em 3 de fevereiro, também era ré nesta ação penal. A defesa da ex-primeira-dama pediu a absolvisão sumária dela nos dois processos aos quais ela respondia na Lava Jato.

 

A ação

A denúncia foi aceita em setembro do ano passado e abrange três contratos da OAS com a Petrobras. De acordo com a acusação, R$ 3,7 milhões em propinas foram pagas a Lula. Para os procuradores do Ministério Público Federal (MPF), a propina se deu por meio da reserva e reforma do apartamento triplex, em Guarujá, e do custeio do armazenamento de seus bens.

 

Lula responde por corrupção passiva e lavagem de dinheiro nesta ação penal. Ele também é réu em outro processo relacionado à Lava Jato na Justiça Federal do Paraná, que envolve a compra de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo.

 

As oitivas com as testemunhas de defesa devem se estender até março deste ano. Ao todo, 70 pessoas foram arroladas.

 

Últimas audiências

Na última terça-feira (21), foram ouvidas nove testemunhas de defesa, todas por videoconferência com a Justiça Federal do Paraná, em Curitiba.

 

No período da manhã, foram seis depoimentos prestados em São Paulo (SP). À tarde uma testemuha foi ouvida de Campo Grande (MS) e outras duas de São Bernardo do Campo (SP).



Untitled Document
Últimas Notícias
Mulher é presa com meia tonelada de maconha
Saque do PIS/Pasep vai até a próxima sexta
Copa Cidade de Futsal define seus campeões em Naviraí
Untitled Document